A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Embu-Guaçu
Mário Souto
Engenheiro Marsilac
...

Mairinque-Santos - 1937
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2011
...
 
E. F. Sorocabana (1934-1971)
FEPASA (1971-1998)
MÁRIO SOUTO (antiga CIPÓ)
Município de Embu-Guaçu, SP
Mairinque-Santos - km 140,446 (1960)   SP-2310
Altitude: 746 m   Inauguração: 05.04.1934
Uso atual: aparentemente abandonada (2017)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1936
 
 
HISTORICO DA LINHA: Projetada desde 1889, a Mairinque-Santos, linha que quebraria o monopólio da SPR para ligar o interior ao litoral foi iniciada em 1929 e terminada em 1938, com a ligação das duas frentes, uma vindo de Santos e outra de Mairinque. É uma das obras ferroviárias mais reportadas por livros no Brasil. Já havia, no entanto, tráfego desde 1930 nas duas partes, e o trecho desde Santos até Samaritá havia sido adquirido em 1927 da Southern São Paulo Railway, operante desde 1913. Com o fim da Sorocabana e a criação da Fepasa, em 1971, a linha foi prolongada até Boa Vista, no fim dos anos 1980 (retificação do antigo ramal de Campinas). Houve tráfego de passageiros entre Mairinque e Santos até cerca de 1975, e mais tarde entre Embu-Guaçu e Santos, até novembro de 1997. A linha opera até hoje sob a administração da Ferroban.
 
A ESTAÇÃO: A estação foi inaugurada em 1934 como uma casa de madeira e com o nome de Cipó, e recebeu um prédio de alvenaria somente dois anos depois.

A nota de abertura no relatório da ferrovia correspondente ao ano de 1934 cita-a como sendo uma estação, mas, na mesma casa, na designação do "novo regime de funcionamento dos postos telegráficos" (*), classifica-a como "posto telegráfico de categoria A" (*).

Mais tarde, teve o seu nome alterado para Mário Souto, em homenagem àquele que havia sido o engenheiro-chefe das obras do ramal. O prédio ainda tinha um chefe de estação em 1984, como atesta a foto maior abaixo.

Em 1986, estava em mau estado (ficou tão ruim assim em dois anos apenas?), de acordo com dados do Relatório de Instalações Fixas da Fepasa de 1986.

Os desvios foram retirados e a parada passou a ser efetuada numa plataforma coberta existente a alguns metros da antiga estação, desativada, mas reformada mais tarde para outros usos. De qualquer forma, a paradinha também foi desativada, pois não havia mais trens de passageiros desde o final de 1997.

O antigo prédio da estação ainda estava de pé em 2017. A plataforma, se é que ainda existia, estava coberta de mato.

ACIMA: Venda de terras para desmatamento em 1947, "a doze quilometros da estação do Cipó" - CLIQUE SOBRE A FOTO PARA VER EM TAMANHO MAIOR (Folha da Manhã, 27/7/1947).

ACIMA: A estação, ao fundo, e sobre a plataforma, além da placa da estação, o seu chefe da época. A foto é citada como sendo em 1984, mas há dúvidas, pois a foto de 1986 (abaixo) mostra, em muito pouco tempo, uma estação quase em ruínas (Acervo Leandro Guidini). ABAIXO: "Aguardando o trem na parada Mario Souto. A viagem foi desconfortável, pois havia mais passageiros que assentos disponíveis. Eu viajei a maior parte do tempo em pé. Não que me importe com isso, mas dificulta certas manobras fotográficas, como ir na plataforma do carro". O embarque já se dava na plataforma coberta, longe da antiga estação (Texto e foto Carlos R. Almeida, 19/2/1996).

* Segundo o Relatório Anual de 1934 da EFS, "À categoria A ficaram pertencendo os diversos postos que funccionavam como si fossem estações de 4a classe, isto é, onde, além do serviço de trens, havia venda de bilhetes, despachos de encommendas, bagagens, mercadorias, animaes, valores e serviços telegraphico, em trafego proprio e mutuo, com os fretes calculados pela propria distancia".

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Lucas Rio Branco Santos; Carlos R. Almeida; Adriano Martins; Leandro Guidini; Folha da Manhã, 1947; E. F. Sorocabana: Relatórios anuais, 1920-69; FEPASA: Relatório de Instalações Fixas, 1986; Guia Geral das Estradas de Ferro, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação original de Cipó, em madeira. Autor desconhecido

A estação já abandonada, em 1986. Foto do relatório da Fepasa desse ano

Em 09/05/1998, um pouco à frente, somente uma nova plataforma com uma cobertura simples: uma parada. Foto Ralph M. Giesbrecht

Placa ainda existente na parada, em 10/2002. Foto Adriano Martins

A parada, em 10/2002. Foto Adriano Martins

A antiga estação, em janeiro de 2005. Foto Leandro Guidini


A parada, em 7/2014. Foto Adriano Martins


A antiga estação, em julho de 2014. Foto Leandro Guidini

A estação em 7/2017. Foto Lucas Rio Branco Santos
     
Atualização: 07.07.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.