A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Juca Novais
Avaré-nova
Ouro Branco-nova
...

Tronco EFS - 1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2001
...

 
E. F. Sorocabana (1953-1971)
FEPASA (1971-1998)
AVARÉ-NOVA
Município de Avaré, SP
Variante Botucatu-Bernardino de Campos - km 338,075 (1960)   SP-0947
Altitude: 752 m   Inauguração: 30.08.1953
Uso atual: abandonada (2013)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1958
 
 
HISTORICO DA LINHA: A variante Botucatu-Bernardino de Campos foi entregue em 30 de agosto de 1953 e ligava a estação de Rubião Júnior à estação de Juca Novais inicialmente, com a estação nova de Avaré sendo entregue alguns anos depois. Várias estações foram construídas no trecho, todas de madeira. O trecho do tronco original entre essas estações foi suprimido ao mesmo tempo que o novo, bem mais curto, foi entregue. Ele hoje é parte do tronco da antiga Sorocabana, que deixou de ter trens de passageiros a partir de 16 janeiro de 1999.
 
A ESTAÇÃO: A estação nova de Avaré foi inaugurada em 1953 para substituir a antiga, desativada por causa da retificação e conseqüente mudança do leito da linha do norte para o sul da cidade nesse ano.

A estação nova era algo provisório, provavelmente um prédio de madeira, e o prédio atual foi construído apenas em 1958, entregue em 31 de agosto, depois de a licitação ter sido feita em 1956. O prédio é bem maior que o da estação anterior e de estilo moderno.

Com a supressão dos trens de passageiros pela Ferroban, sucessora da Fepasa, em 16/01/1999, deixou de embarcar e desembarcar passageiros.

Em 2013, estava abandonada e depredada.

Veja também: AVARÉ-VELHA

ACIMA: Trem PS 6 da FEPASA na Estação de Avaré em abril de 1990 (Foto André Luiz de Lima). ABAIXO: Junto à estação, a pequena locomotiva diesel com um troleizinho, ambos parados há anos mas surpreendentemente em bom estado (Foto Daniel Gentili, 10/2009).

"Não se sabe por que Avaré, entre as cidades mais importantes, foi a única cuja nova estação ficou arredada do primitivo local de embarques e desembarques, sendo o ponto de chegada de trens transferido de um para outro extremo da cidade, distanciando-se consideravelmente do ponto central do perimetro urbano e afastando-se assim, das indústrias e do maior comercio que procuravam, para facilidades de transporte e custo de carreto, as proximidades da via ferrea. Além da distancia de pouco mais de 2 quilometros do antigo ponto da estação, (...) não há iluminação a grande distancia da nova estação. Os trens passam por Avaré geralmente à noite e é praticamente impossível chegar-se ao local de embarque dada a escuridão reinante (...)".

AO LADO: Extraído de O Estado de S. Paulo, 20/9/1953.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; André Luiz de Lima; Adriano Martins; Daniel Gentili; Carlos R. Almeida; O Estado de S. Paulo, 1953, 1956 e 1958; E. F. Sorocabana: relatórios anuais, 1940-69; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa acervo - R. M. Giesbrecht)
     

A estação no abandono, em 25/06/2000. Foto Ralph M. Giesbrecht

Em 2001, a plataforma e o pátio da estação. Foto Adriano Martins

Plataforma da estação de Avaré-nova, em 09/2001. Foto Carlos R. Almeida

Fachada da estação de Avaré-nova, em 09/2001. Foto Carlos R. Almeida

A fachada da estação em 10/2009. Foto Daniel Gentili
 
     
Atualização: 02.07.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.