A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Santana
Rio Claro-nova
Batovi-nova
...

CP-tronco - 1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2000
...
 
FEPASA (1980-1998)
RIO CLARO-NOVA
Município de Rio Claro, SP
Variante Santa Gertrudes-Itirapina - km 131,388 (1988)   SP-2248
Altitude: -   Inauguração: 01.04.1977
Uso atual: demolida em 2008   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1977 (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: Projetada desde os anos 50 pela Cia. Paulista, a variante que encurtava a distância entre Santa Gertrudes e Itirapina somente foi construída anos anos 70, já pela FEPASA. Aberta em 1976 para trens de carga, em 1980 ela foi aberta para passageiros e a linha velha foi suprimida, fechando-se cinco estações, exceto a de Rio Claro, que manteve o trecho de linha que passou a se encontrar com a variante, entre Rio Claro-nova e Camaquã-nova. Três estações novas foram construídas na variante. Trens de passageiros passaram por ali até o final de 2000.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Rio Claro-nova, também chamada de Guanabara, devido ao bairro em que foi construída, foi inaugurada em 1977 quando os trens de passageiros da Fepasa começaram a passar pela variante Santa Gertrudes-Itirapina. A variante havia sido inaugurada em 1976, mas até então por ela apenas trafegavam trens de carga.

Um dia antes de sua abertura, o prefeito da cidade reclamava nos jornais: "Construída longe da cidade, sem meios de acesso adequados, sem nenhum confortp para os futuros usuários e com estrutura não condizente com a cidade, ao invés de trazer satisfação aos rio-clarenses, torna-se motivo de queixas. O prefeito Nevoeiro Junior, que endossa o descontentamento geral, oficiou ao presidente da Fepasa e ao ministro dos Transportes, pedindo esclarecimentos quanto à construção da estação em lugar ermo e longínquo. Acredita-se que poucos rio-clarenses vão se utilizar do transporte ferroviário, em virtude da impraticabilidade da nova estação" (Folha de S. Paulo, 31/3/1977).

Com a abertura de Rio Claro-nova, a estação tradicional de Rio Claro não foi desativada, pois alguns trens ainda continuavam a passar por lá, visto que o trecho da linha antiga que passava pela cidade continuou ativo. A estação nova ficava num local ermo e perigoso, e podia ser vista do alto de uma das pontes da estrada de rodagem que liga Rio Claro a Piracicaba, logo após a rodovia Washington Luiz. Contava com um amplo pátio de estacionamento para veículos, que depois da desativação dos trens vivia totalmente vazio, e foi um local de muito movimento de cargueiros, com desvios longos.

Foi desativada como estação em 1999, servindo apenas a sua plataforma para embarque e desembarque dos poucos trens de passageiros que ainda passavam quase vazios por ela duas vezes por semana e até março de 2001.

Foi então totalmente abandonada, e quando lá estive, encontrei inúmeros vagões danificados por batidas em seus desvios, que aguardavam pelo leilão que seria realizado cerca de um mês depois,
em Santa Gertrudes.

"Combinei com meu amigo maquinista pegar o trem que passava à 01:05 da madrugada em Rio Claro-nova (a linha velha estava interditada). Depois de combinar, ele me ligou às 23:30 dizendo que o trem estava atrasado "apenas" duas horas. Bem, saí de carro de Araras às 02:30, chegando a tempo em Rio Claro nova. Fui com a roupa do corpo e o um velho álbum da Paulista como companhia. Lá mostrei o livro ao chefe, que gostou muito e que havia, inclusive, trabalhado na estação de Araras. Bem, o trem chegou, mas os maquinistas e os guarda-trens não. A Fepasa pagava taxi para eles, pois a nova estação é muito longe, num bairro um tanto quanto hostil. Deixei o carro debaixo de um pé de goiaba e fosse "o que Deus quiser" (Rodrigo Cabredo, 22/05/1998).

Em 2008, já havia sido demolida. Em 25 de maio desse ano, a ALL "confirma que está realizando obras nas antigas instalações demolidas na estação Guanabara, em Rio Claro. As obras começaram há 90 dias, com a construção do pernoite para os maquinistas - estrutura com cozinha, banheiros, 12 quartos climatizados - e da sede para os maquinistas - área de 74m2, com escritório, sala de treinamento, banheiro e vestiários. O pernoite ficou pronto na última quarta-feira, dia 21 de maio; enquanto a sede para os maquinistas entrará em funcionamento dentro de 10 dias" (Diário do Rio Claro 25/5/2008).

Existe em 2017 uma nova construção ali, erigida depois da demolição do prédio anterior. Serve apenas para administração do pátio e pernoite de maquinistas.

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR A ESTAÇÃO VISTA DO SATELITE (gentileza Adalberto Gaib)

(Veja também RIO CLARO)


ACIMA: A Vandeca chegando à estação de Rio Claro-nova nos anos 1990 (Foto Vanderley Zago). ABAIXO: Auto de linha da ALL "posa" ao lado da já demolida estação de Rio Claro-nova, da qual sobraram apenas um pedaço da cobertura de parte da plataforma, em 23/05/2008 (Foto Luiz Carlos).


ACIMA: O pátio da estação e, ao fundo, sentido São Paulo, o viaduto da rodovia Rio Claro-Piracicaba (foto Silvio Rizzo).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Silvio Rizzo; Rodrigo Cabredo; Vanderley Zago; Kelso Medici; Luiz Carlos; Adalberto Gaib; Folha de S. Paulo, 1977; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Em 28/08/2000, a estação fechada e com inúmeros vagões acidentados em seus desvios. Foto Ralph M. Giesbrecht

28/08/2000 - Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação em 03/2000. Foto Kelso Medici

A estação em 03/2000. Foto Kelso Medici

A estação em 03/2001. Foto Kelso Medici

A estação, já demolida em 23/5/2008, com pedaços da cobertura ainda em pé e entulho no local do antigo prédio. Foto Luiz Carlos
     
Atualização: 26.08.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.