A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Ouro
Araraquara
Américo Brasiliense
...
Saída para o tronco da
E. F. Araraquara
:
Tutóia
...

Tronco CP-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2015
...
 
Cia. Rio-Clarense (1885-1889)
Rio Claro Railway (1889-1892)
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1892-1971)
FEPASA (1971-1998)
ARARAQUARA
Município de Araraquara, SP
Linha-tronco - km 253,767 (1958)   SP-0968
Altitude: 646 m   Inauguração: 18.01.1885
Uso atual: museu ferroviário (2016)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: c.1912
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Cia. Paulista foi aberta com seu primeiro trecho, Jundiaí-Campinas, em 1872. A partir daí, foi prolongada até Rio Claro, em 1876, e depois continuou com a aquisição da E. F. Rio-Clarense, em 1892. Prosseguiu por sua linha, depois de expandi-la para bitola larga, até São Carlos (1922) e Rincão (1928). Com a compra da seção leste da São Paulo-Goiaz (1927), expandiu a bitola larga por suas linhas, atravessando o rio Mogi-Guaçu até Passagem, e cruzando-o de volta até Bebedouro (1929), chegando finalmente a Colômbia, no rio Grande (1930), onde estacionou. Em 1971, a FEPASA passou a controlar a linha. Trens de passageiros trafegaram pela linha até março de 2001, nos últimos anos apenas no trecho Campinas-Araraquara.
 
A ESTAÇÃO:Devem começar no dia 25 do corrente os trabalhos de construcção da estrada de ferro de São Carlos a esta villa, para o que ja foi assignado o respectivo contracto. Por todo este anno ficará o municipio de Araraquara ligado pela via-férrea à capital da Província e ao porto de Santos, como também as cidades intermediárias de S. Carlos, Rio Claro, Limeira, Campinas etc.

"Vae, pois, realizar-se um grande melhoramento para este municipio, que em razão da distancia, e difficuldade de communicações tem sido pouco procurado e mal apreciado por aquelles que dele se occupam.

"O pouco desenvolvimento de Araraquara, uma das povoações mais antigas da Província, em grande parte é devido ao isolamento em que tem se achado, pelas razões que já indicamos.
Entretanto nenhum outro município estava em condições de prosperar tanto quanto este se há mais tempo tivesse vencido o grande obstáculo da distância, e das difficuldades de locomoção e transporte.

"A sua extensão, a salubridade do seu clima, a exhuberante fertilidade das terras de cultura, a vastidão dos campos de criar, estão no caso de rivalizar com outros municípios tão decantados, e que talvez não offereçam iguaes vantagens. Circulou por muito tempo, com grande exageração, a infundada noticia de ser este municipio muito sujeito á geada, mas essa noticia, ou era transmitida por falsas informações, ou deliberada propaganda dos que tinham interesse de dissuadir as pessoas que vinham em demanda de terras para o seu estabelecimento.

"Contra taes boatos que tanto prejudicaram o desenvolvimento da localidade, impedindo a entrada de novos lavradores que viessem aqui estabelecer-se protesta o incremento da lavoura n’estes ultimos tempos e o augmento progressívo da producção de café como havemos de provar com dados estatisticos que estamos organizando.

"Felizmente, com a próxima vinda do caminho de ferro, vae dissipar-se a nuvem, e os que vierem visitar nos para conhecerem os recursos do município terão occasião de reconhecer a verdade do que deixamos dito.

Em artigos subsequentes, iremos dando a conhecer as condicções favoráveis do município de Araraquara para novos estabelecimentos agricolas, desde que se resolva o grande obstáculo da dificuldade de comunicações com o littoral como vae acontecer com o prolongamento da estrada de ferro da companhia Rio Claro.
Neste empenho, pedimos e esperamos a colaboração dos lavradores com os dados e informações que nos quiserem prestar, para darmos uma completa notícia do município de Araraquara.”

(*) Domingos Carnesecca Neto, 06/07/2021 ( Município de Araraquara”, edição de 17 de fevereiro de 1884, transcrita e cedida a este site por Domingos Carnesseca Neto.

Inaugurada pela E. F. Rio-Clarense em 1885, a estação de Araraquara sempre foi uma das estações mais importantes da linha-tronco, principalmente porque, de seu pátio, passaram a sair desde 1898 os trilhos da antiga E. F. Araraquara, levando à primeira estação dessa linha, Tutóia.

Em 1932, o chefe da estação era o Sr. Synesio Wiss Barreto.

Em 1952, a plataforma de embarque, que servia também à EFA, foi elevada, pois era muito baixa e diversos acidentes com passageiros haviam sido registrados (Folha da Manhã, 18/7/1952).

Recebeu trens de passageiros até 15 de março de 2001, e foi uma das poucas estações que foram aproveitadas pela Ferroban em 1998.

Entre 1997 e 1999, foi o ponto final da linha eletrificada da antiga Paulista, pois os cabos aéreos entre essa estação e Rincão foram retirados. Em 1999, toda a eletrificação da linha-tronco foi retirada.

A estação esteve fechada, apenas com uma sala atendendo ao atual concessionário da linha, a ALL. Uma série de vagões e locomotivas abandonadas, inclusive uma V-8, jazem aguardando o seu fim em seu imenso e comprido pátio.

Em 2008, estava sendo reformada por dentro, com descaracterização grande de seu hall principal com a colocação de escadas e elevador metálicos e retirada de seu teto de madeiras original. Fora isso, a amurada de madeira original do andar superior do hall foi cortada para o complemento da escada matálica. A população e a imprensa se revoltaram com o descaso da prefeitura (cujo prefeito estava no final de 2008 deixando a mesma). Falta de respeito com o patrimônio histórico nacional.

Estive na estação em 9/1/2009: ela foi toda pintada, inclusive o saguão, onde com a pintura e emassamento desapareceram os tijolos de cerâmica que haviam sido colocados pela FEPASA nos anos 1980. A escada de ferro e a
armação do elevador estavam lá e a grade de madeira do segundo andar realmente havia sido serrada e retirada para o encaixe da escada. Havia um balcão no saguão, com o vigilante e o recepcionista do museu. O acervo do museu ainda não estava lá porque a iluminação não está ainda completada. No segundo andar, alguns quadros de um pintor local e o piso de madeira tinha sido substituído por madeira nova; existe ainda uma parte do antigo piso hidráulico. Pelo pátio inteiro, ainda estavam lá diversas locomotivas diesel depredadas, carros de passageiros e vagões, além da V-8. Tudo largado. Em agosto de 2009, já estava tudo remodelado: a escada de metal foi retirada, a amurada de madeira foi consertada no andar superior e o elevador do saguão foi levado para a sala da bilheteria, onde compromete menos a arquitetura. O acervo do museu já está colocado.

O museu somente foi inaugurado em 2011 pela ABPF.

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR A ESTAÇÃO VISTA DO SATELITE (gentileza Antonio Carlos Mussio)

DUAS BITOLAS E ENTRONCAMENTO - A estação de Araraquara é uma estação de entroncamento desde 1898, quando a E. F. Araraquara iniciou suas atividades tendo-a como ponto inicial a partir dos trilhos da Cia. Paulista. O fato de ser o encontro de duas ferrovias diferentes ajudou a cidade a crescer bastante, tendo pessoal técnico e administrativo das duas empresas empregados no pátio. Até 1922, foram trilhos de uma bitola apenas, a métrica. Daí até 1955, duas bitolas: larga para a CP (1,60 M) e métrica para a EFA. Em 1955, esta última abriu sua linha de bitola larga e o entroncamento dos trilhos voltou a ter a mesma bitola. Até 1971, manteve as duas empresas na cidade, quando, neste ano, foi criada a FEPASA, que unificou 5 ferrovias paulistas. O entroncamento continua até os dias de hoje.
1884
AO LADO: A linha da Rio Clarense está chegando a Araraquara (A Provincia de S. Paulo, 24/8/1884).

ACIMA: Convite para a festa de inauguração da estação de Araraquara em 1885 (A Provincia de S. Paulo, 16/1/1885).

ACIMA: Chegada do primeiro trem da Rio-Clarense em Araraquara, em 1885. À frente da locomotiva está escrito: "Viva o Visconde do Pinhal, Digno Presidente da Cia. Rio Claro - Viva Araraquara!" (Acervo Arquivo Histórico do Município de Rio Claro).
1885
AO LADO: A inauguração da estação em 1885 - CLIQUE SOBRE O TEXTO PARA VE-LO INTEGRALMENTE (O Estado de S. Paulo, 3/9/1998).
1885
AO LADO: Comentarios sobre a festa de inauguração da estação - CLIQUE SOBRE O TEXTO PARA VE-LO INTEGRALMENTE (O Estado de S. Paulo, 3/9/1998).
1888
AO LADO: Ladrão é preso na estação de Araraquara (O Estado de S. Paulo, 3/9/1888).
1898
AO LADO: Aprovadas as plataformas a serem usadas a partir de agaora também pela E. F. Araraquara na estação de Araraquara (O Estado de S. Paulo, 3/9/1898).



1898
AO LADO: As três notícias ao lado saíram no mesmo dia no jornal O Estado de S. Paulo, mas o trem realmente partiu pela primeira vez em 1° de outubro (O Estado de S. Paulo, 1/10/1998).

ACIMA: Primeiro horário de trens da E. F. Araraquara em 1898 - o trem passava por Cruzes - hoje Cesario Bastos - e chegava a Itaquerê - hoje Bueno de Andrada. Notar que a primeira viagem foi em 1° de ouiubro e a notícia saiu somente no dia 2 (O Estado de S. Paulo, 2/10/1898).
1898
AO LADO: 9 dias depois, a descrição da 1ª viagem da E. F. Araraquara (O Estado de S. Paulo, 9/10/1898).
1898
AO LADO: Reclamações dos passageiros contra o tempo exiguo para se comprar passagens na estação (O Estado de S. Paulo, 13/11/1998).
1900
AO LADO: Troca de chefes na estação de Araraquara (O Estado de S. Paulo, 4/2/1900).
1922
AO LADO: A bitola larga é inaugurada em Araraquara (O Estado de S. Paulo, 20/7/1922).

ACIMA: Linhas férreas no então extenso municípío de Araraquara de 1931: Paulista, E. F. Araraquara e C. E. F. Dourado (O Estado de S. Paulo, 3/1/1931).

ACIMA: A G-9 da Fepasa, oriunda da E. F. Araraquara, em 1977, tracionando um trem de passageiros provavelmente para Santa Fé do Sul (Autor desconhecido)

ACIMA: A saudosa V-8 com pintura Fepasa, tendo atrás dela uma outra elétrica ainda com pintura azul, na gare de Araraquara, em 1979 (Fotos João Pires Barbosa Filho).

ACIMA: A cidade vista de cima e a estação em primeiro plano (Autor e data desconhecidas - acervo Leandro Todaro).

ACIMA: (esquerda) Casa ao lado da estação de Araraquara, à direita de quem olha de frente para ela. Atrás está o armazém. (direita) Piso hidráulico em parte do segundo andar da estação de Araraquara - o resto é madeira (Fotos Ralph M. Giesbrecht em 9/1/2009).

ACIMA: A antiga bilheteria da estação está fechada desde 2001 (Foto Leticia L. Borges, em
2017
).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Leticia L. Borges; Geraldo Godói; Leandro Todaro; Domingos Carnesecca; João Pires Barbosa Filho; Alberto del Bianco; Filemon Peres; João Carlos R. Pinto; Hermes Hinuy; Alexandre Negri; Folha da Manhã, 1952; O Estado de S. Paulo, 16/10/1932; Cia. Paulista: Álbum dos 50 anos, 1918; Acervo Arquivo Histórico do Município de Rio Claro; Cia. Paulista: relatórios oficiais, 1892-1969; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
ETO    

Estação de Araraquara original, em c. 1910, construída pela Rio-Clarense. Foto cedida por Alberto del Bianco

Estação de Araraquara original, foto publicada em Illustração Paulista em 23/6/1912,

A plataforma da estação, em 1916. Foto Filemon Peres

A estação, sem data. Foto coleção Alberto del Bianco

Em 21/08/1998, a fachada da estação. Foto Ralph M. Giesbrecht

Em 21/08/1998, a fachada da estação. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação e sua plataforma, em 05/05/2000. Foto João Carlos R. Pinto

A plataforma da estação em 12/04/2001. Foto Hermes Hinuy

A plataforma da estação em 06/08/2002, com um cargueiro estacionado junto a ela. Foto Hermes Hinuy

A frente da estação em 9/1/2009. Foto Ralph M. Giesbrecht
   
     
Atualização: 26.10.2021
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.