A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice
Estações de Sta Catarina
...
Cresciúma
Pinheirinho
Sangão
...
Saída do ramal de Siderópolis: Rio Maina
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...

 
E. F. Tereza Cristina (1943-1994)
PINHEIRINHO
Município de Cresciúma, SC
Linha-tronco - km 112,746 (1960)   SC-2336
Altitude: -   Inauguração: 07.1943
Uso atual: demolida em 1994   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1943?
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Dona Teresa Cristina foi aberta por uma empresa inglesa em 1884 ligando o porto de Imbituba às minas de carvão de Lauro Müller. A ferrovia passou para o Governo da República em 1903 e foi arrendada à E. F. São Paulo-Rio Grande em 1910. Em 1918 o arrendamento foi passado para a Cia. Brasileira Carbonífera de Araranguá. Com a construção de um ramal a partir de Tubarão ligando a linha a Cresciúma, em 1919, e o prolongamento até Araranguá em 1923, aos poucos o trecho Imbituba-Araranguá passou a ser a linha-tronco, transformando o trecho Tubarão-Lauro Müller num ramal. Em 1940, a estrada passou a ser administrada novamente pelo Governo Federal, que em 1957 a colocou como uma das subsidiárias da recém-criada RFFSA. Em 1975, oficialmente, o nome Dona Teresa Cristina desaparece e ela se transforma numa das Superintendências Regionais da RFFSA. Em 1996, foi concessionada pelo Governo para uma empresa privada, que hoje a administra sob o nome de Ferrovia Teresa Cristina.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Pinheirinho foi inaugurada em 1943 (*Guia Geral-1960) e era o ponto de bifurcação da então linha-tronco Imbituba-Araranguá e o ramal de Siderópolis, também chamado de ramal de Treviso, aberto 4 anos depois (1947).

ACIMA: Pátio da estação de Pinheirinho, provavelmente anos 1960. Pela fotografia, o pátio ficava isolado, fora da cidade de Cresciuma. Hoje em seu lugar existe a avenida Centenário, mostrando que essa área se urbanizou rapidamente após a retirada dos trilhos (Foto do livro "Teresa Cristina - A Ferrovia do Carv„o", Walter Zumblick, UFSC, 1987).
Também saía dali um ramal para a Mina do Mato, de 4 km, suprimido em 10/01/1994 (*Revista Ferroviária, agosto 2000). A estação foi demolida. Atualmente (2016), no local do pátio, existe a avenida Centenário. A linha ainda passa e a bifurcação para o ramal ainda existe. Nenhum resquício, no entanto, do pátio antigo e de construções da época em que funcionava como tal.
(Fontes: Carlos Latuff; Walter Zumblick: Teresa Cristina, a Ferrovia do Carvão, UFSC, 1987; Guia Levi, 1940-79).
     

Em foto de 16/1/2016, só resta a linha e uma locomotiva antiga no que foi um dia o pátio da estação de Pinheirinho. Foto Carlos Latuff
   
     
     
Atualização: 17.01.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.