A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Santa Lina
Quatá
João Ramalho
...

Tronco EFS-1935

Mapa de Quatá, cessão
Glaucio Conde
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2010
...
 
E. F. Sorocabana (1916-1971)
FEPASA (1971-1998)
QUATÁ
Município de Quatá, SP
Linha-tronco original - km 687,163 (1924); km 674,114 (1934) (*); km 626,181 (1960) (**)   SP-0579
Altitude: 526 m   Inauguração: 05.06.1916
Uso atual: centro cultural (2016)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1958
(*) As quilometragens foram alteradas em 1928, devido às retificações feitas entre São Paulo e Iperó neste ano e em 1953, (**) devido às retificações feitas entre Conchas e Manduri neste ano.
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 
A ESTAÇÃO: Construída em 1915, a estação de Quatá foi aberta somente no ano seguinte.

A comunicação, em janeiro de 1916, da Sorocabana Rwy. ao governo, do término do trecho entre Sapezal, na época a terminal da linha, foi pedida para o trecho Sapezal-Bugio (18,500 m). Ou seja, pelo menos antes de ser inaugurada no mesmo mês, em junho, o nome era este: Bugio (O Estado de S. Paulo, 20/1/1916).

Em 1958, a estação foi reformada e ampliada e entregue em 31 de agosto.

A estação foi desativada pela Fepasa em fins de 1996. Serviu algum tempo como moradia,
segundo Glaucio Conde, de Quatá. Foi invadida pelos sem-terra e esteve na mais completa sujeira e abandono. No final de 2010, o armazém já havia sido reformado, mas a estação, com portas e janelas lacradas (fechadas com tijolos), continuava sem uso e abandonada. A estação, que substituiu a antiga (vista em fotos abaixo) e bem no estilo das estações da Sorocabana construídas nos anos 1910, era um caixote com janelas e portas, além de uma horrenda cobertura sobre a plataforma; típica de uma ferrovia que, na época da construção (1958), já não se preocupava em impressionar seus usuários. Qualquer coisa servia, desde que lhe fosse funcional: um prenúncio de que o fim dos passageiros não demoraria.

O prédio da estação foi restaurado em 2012 e, em dezembro de 2016 tornou-se sede de um centro cultural. Infelizmente, o prédio da ex-estação é muito feio e ainda foi descaracterizado.



AO LADO: Notícia de 6/4/1916. Santo Ignacio era o nome primitivo de João Ramalho (O Estado de S. Paulo)




AO LADO: Notícia de 26/4/1917. Santo Ignacio era o nome primitivo de João Ramalho (O Estado de S. Paulo)

OBRAS OCORRIDAS NA ESTAÇÃO E SEU PÁTIO DE ACORDO COM RELATÓRIOS DA EFS: 1926 - Extensão dos desvios para 780 m; 1934 - Construção de casas; instalações sanitárias

No final de 1948, obras da ligação Borebi-Quatá (seguiria até a ponta do ramal de Borebi) teriam sido iniciadas no pátio de Quatá. No entanto, não mais se ouviu falar da linha, que na época foram incentivadas pelas prefeituras de Lutécia e de Echaporã, municípios que seriam beneficiados com a passagem da linha por seus territórios. A linha, na época, era vista pela Sorocabana como uma obra que reduziria a distância entre São Paulo e a alta Sorocabana (Folha da Manhã, 10/8 e 28/12/1948).












ACIMA: Reclamações da estação em Quatá levaram à construção de uma mais moderna - e muito feia - que foi entregue em 1958 (Folha da Manhã, 11/3/1954).

ACIMA: Estação de Quatá, anos 1940, com o comboio da Sorocabana parado junto à estação (Revista Life). ABAIXO: Os dois armazéns de Quatá, em 28/12/2010, reformados pela Prefeitura (Foto Ralph M. Giesbrecht).

TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros - pararam nesta estação de 1916 a 1999. Ao lado, um deles no pátio de Rancharia, em 1992. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em 1968: SP-Botucatu e Botucatu-Pres. Epitacio e SP-Mairinque (Guias Levi).
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Glaucio Conde; O Estado de S. Paulo, 1916-17 e 30/8/1958; Acervo Revista Life; E. F. Sorocabana: relatórios anuais, 1900-69; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de Quatá original, foto sem data. Acervo Glaucio Conde

Estação primitiva de Quatá, sem data. Foto cedida por Glaucio Conde, do Quata website

Estação primitiva de Quatá, sem data. Foto cedida por Glaucio Conde, do Quata website

Quatá ainda em atividade (sem data). Foto Glaucio Conde, do Quata website

Quatá em 2001, abandonada. Foto Glaucio Conde, do Quata website

Quatá em 2001, abandonada. Foto Glaucio Conde, do Quata website

A estação em 28/12/2010, toda "lacrada". Foto Ralph M. Giesbrecht

Plataforma da estação em 22/7/2017. Foto Silvio Rizzo
 
     
Atualização: 30.07.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.