A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Arcadas
Amparo
Três Pontes
...
Saída para o
ramal de Serra Negra:
Alferes Rodrigues
...

ramal de Amparo-1935

IBGE-1956
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2005
...
 
Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (1875-1967)
AMPARO
Município de Amparo, SP
Ramal de Amparo - km 29,823 (1938)   SP-0922
Altitude: 657 m   Inauguração: 15.11.1875
Uso atual: Centro de lazer (2016)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1938
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Amparo foi o primeiro dos ramais construído pela Mogiana, em novembro de 1875, ligando Jaguary (Jaguariúna) a Amparo. Em 1890, a Companhia prolongou o ramal até Monte Alegre. Quando em 1945 a Mogiana alterou o traçado da linha em Jaguariúna, o ramal continuou partindo da estação nova, em local diferente da original. Em 1965, o tráfego de trens foi suprimido entre Amparo e Monte Alegre, e, em 1967, o que sobrou do ramal também foi extinto. Os trilhos foram retirados não muito depois. Ao contrário de outras linhas, neste ramal todos os edifícios das estações sobrevivem até hoje.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Amparo foi inaugurada em 1875, dando nome ao ramal. Foi construída em terrenos cedidos gratuitamente pelo Comendador Zeferino da Costa Guimarães (*RM-26/07/1874).

Em 1938, ganhou um novo prédio, bastante grande e bonito, para uma estação de ramal.

"Naqueles idos dos anos 1960, embarcávamos em Campinas naqueles longos trens azul-amarelo e 30 km depois, descíamos em Jaguariúna. Baldeação para Amparo, a composição já aguardava pronta na linha 2 ou 3 uma locomotiva azul-amarela puxando um correio-bagageiro, um carro de primeira e um de segunda classe, e às vezes, um vagão de carga e um gaiola também. Meu tio era maquinista das vaporosas e diesel dos ramais de Amparo e Socorro, e hoje, com mais de 80 anos, ele afirma que a locomotiva diesel que ia de Jaguariúna a Amparo era chamada pelos maquinistas por '60', acho que era uma GL... Em Amparo, enquanto ocorria o embarque e desembarque de passageiros, carga e descarga de encomendas e do correio, desengatavam a locomotiva diesel e engatavam a vaporosa que seguia para o ramal de Socorro, pois diziam que os trilhos e raio das curvas impediam que a diesel chegasse até Socorro, atingida cerca de duas horas depois. As estações eram edifícios tão caros a nós como eram a igreja da cidade, nossa casa, a escola, etc. Quando desativaram o ramal de Socorro, lembro-me que os mais idosos (eu tinha 13 anos) de Monte Alegre do Sul diziam que seria o fim da cidade, tal era o amor a integração pessoas-ferrovia: parentes ferroviários, meio de transporte para viagem e para encomendas - até leitoas vivas para Ribeirão Preto nós embarcávamos às vésperas do Natal - para enviar e receber telegramas" (Ubirajara Inácio de Godói, Ribeirão Preto, 03/2003).

Em 01/04/1966, o depósito de locomotivas da estação foi fechado. Poucos meses depois, em 16/09, o resto do ramal, até Monte Alegre, foi extinto, juntamente com o ramal de Socorro.

Finalmente, a estação de Amparo foi fechada em 3/1/1967, junto com o trecho Jaguariúna-Amparo, e transformada em agência rodoferroviária pela Mogiana (*RM-1967). Dez anos depois, em 1977, esta agência foi fechada.

Em 2016, o prédio era um centro de lazer. Já teve diversos outros usos. Estava muitíssimo bem conservado. Fica junto ao centro da cidade.

1924
AO LADO:
A notícia é infelizmente pouco legível, mas trata-se do tombamento de três carros de um trem misto em frente a um clube da cidade de Amparo (O Estado de S. Paulo, 5/2/1924).

1924
AO LADO:
Trens especiais de Amparo para Monte Alegre (O Estado de S. Paulo, 5/9/1924).

1924
AO LADO:
Acidente com morte na linha do ramal em Amparo (O Estado de S. Paulo, 24/9/1924).

1924
AO LADO:
Mais trens especiais de Amparo, agora Serra Negra (O Estado de S. Paulo, 28/10/1924).


ACIMA: A mala postal expedida pela administração regional seguia pela E. F. Ingleza até Jundiaí, em seguida até Campinas pela E. F. Paulista, a partir daí pela Mogiana até Jaguary e ao destino pela mesma estrada de ferro, Ramal do Amparo. Acredito que esse carimbo era aposto na correspondência que o estafeta ambulante ferroviário recolhia ou processava no Ramal do Amparo da Mogiana (texto e reprodução Márcio Protzner).
Meu pai José Inácio de Godoi foi pracinha da FEB na II Guerra e foi para a Itália quando fazia o serviço militar no Batalhão de Infantaria de Caçapava. Ele retornou em 06 de agosto de 1945 junto com outros ex-combatentes da regiãp de Amparo. Logo após desembarcarem na estação de Amparo do trem da Mogiana que os trouxe de Campinas, em meio à euforia, foram carregados nos ombros pelos amparenses e uma procissão foi organizada para que os ex-combatentes carregassem os andores até a Igreja Matriz de Amparo (uma foto do acervo do jornal O Comércio mostra meu pai carregando o andor de Nossa Senhora Aparecida). Em seguida, meu pai foi para Monte Alegre do Sul, sua cidade natal, pois era dia de Festa do Senhor Bom Jesus, e ocorreram novas manifestações de alegria de milhares de romeiros e da população monte-alegrense.
2014
AO LADO:
Ubirajara Inacio de Godoi, set/2014.

TRENS - Os trens de passageiros pararam nesta estação de 1875 a 1967. Na foto à esquerda, o trem do ramal está possivelmente próximo a Pedreira. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em 1964 (Guias Levi).
ACIMA: Em foto de cartão postal, provavelmente dos anos 1950, Kelso Medici coloca as posições dos prédios no pátio ferroviário de Amparo e também a saída do ramal para Serra Negra (Autor desconhecido; diagrama Kelso Medici). ABAIXO: Plataforma de baldeação para o trem para Serra Negra em 1950 (Cessão Leandro Guidini).
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Odilio Pereira de Queiroz Neto; João Carlos Reis Pinto; Daniel Gentili; Hermes Hinuy; Elias Vieira; Kelso Medici; Ubirajara Inácio de Godói; Marcio Protzner; Nilson Rodrigues; Rose Mary de Souza; O Estado de S. Paulo, 1924 e 2000; Cia. Mogiana: Relatórios anuais, 1872-1969; Cia. Mogiana: Álbum, 1910; IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, 1958; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Amparo, c. 1910. Foto do álbum da Mogiana

Pátio da estação em 1910. Foto do álbum da Mogiana, cedida por Nilson Rodrigues

A estação de Amparo atual, provavelmente anos 1940. Autor desconhecido

A estação lotada aguarda o último trem. Seria 1966, com o último trem para Socorro, ou 1967, com o último para Jaguariúna? Foto cedida por Hermes Hinuy

Lado da plataforma da estação de Amparo (16/10/1998). Foto Ralph M. Giesbrecht

A fachada da estação em 16/10/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

A fachada da estação em 16/10/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

Fachada da estação. Foto publicada no O Estado de S. Paulo de 25/2/2000, por Rose Mary de Souza/AE

A estação em 11/2002. Foto Elias Vieira

A estação em 11/2002. Foto Elias Vieira

A estação em 11/2002. Foto Elias Vieira

A estação em 6/2010. Foto João Carlos Reis Pinto

Acima: a ex-estação em 23/11/2016. Foto Odilio Pereira de Queiroz Neto
   
     
     
Atualização: 04.11.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.